Mapa de Atuação da Rede Blogs do Ceará

http://3.bp.blogspot.com/-_AFaHjIsxkw/TdVWEdC6R0I/AAAAAAAAXQg/BJ4y3nC8rDo/s1600/redeblogsdoceara2.jpg

sábado, 1 de outubro de 2011

A Farmacopéia do Cangaço

Por: João Tavares Calixto Júnior.


Os anais do cangaceirismo nos contam efantasticamente sobre os acontecimentos que beiram o surreal. Dentre estes, alcandorado, o fato de os tabaréus possuírem um conhecimento empírico extremamente apurado em alusão ao uso de plantas do lugar. A existência da “Farmacopéia do Cangaço” é fruto de séculos de experimentações, e ainda que permeada por erros e riscos, se mostrou adequadamente farta em utilidades às cabroeiras errantes.
A absorção do valor medicinal das plantas na caatinga é prática antiga, data do perpétuo domínio dos índios, antes mesmo da invasão européia e das capitanias já abrasileiradas. Comprido foi o tempo em que os itinerantes do cangaço unicamente se atearam a floris medicinalis. Segundo Araújo e Fernandes (2005), para se ter uma idéia, os cangaceiros só conheceram as propriedades do ácido-acetil-salicílico em 1929, através do Capitão-Médico do exercito Eronildes de Carvalho, que ofereceu um comprimido do analgésico para um bandoleiro com dor de dente. 
Particularmente sobre a era lampiônica do cangaço, foi dito por pouco mais de meio mundo de autores e pesquisadores, sobre a existência de um médico naturalista atrelada à estampa de Virgulino. Rumores inimigos!
Em Aglaê Lima (1970), por exemplo, Lampião representava o cirurgião, clínico,  ginecologista, parteiro e até dentista do bando. Essa mesma idéia, portanto, é fruto da imaginação recreativa de muitos, e da fantasia popular permeada pela mítica do cangaceiro. “Praticavam extrações dentárias com pontas de punhais e alicates. Em seguida bochechos de mandacaru. Raspa de juá evitava o aumento da cárie..." (ALMEIDA, 2006).
O escritor Antônio Amaury, pesquisador dos maiores do assunto, colhe depoimentos de Dadá, também algoz de bedéis do sertão, que declara desconhecer Lampião removedor de balas, amputador de membros, parteiro em ocasiões complicadas ou muito menos arrancador de dentes. “Arrancar um dente ainda não "amolecido" pela piorréia é trabalho hercúleo (...)." É, portanto, balela afirmar ser lampião ou qualquer outro cangaceiro "dentista".
Entrementes, não é incomum se observar nas passagens, relatos de junção entre chás, lambedores, efusões, emplastos e defumadores, além de benzeduras, simpatias e orações aplicados por cangaceiros em busca de cura a seus achaques.  
A farinha de mandioca, por exemplo, além de alimento indispensável, ora era usada como emplastro, no tratamento dos abscessos. Acreditava-se o emplastro quente com farinha, sobre regiões inflamadas, evitar a lesão “vir a furo”. O fumo em pó, sobre feridas abertas, evitava infecções secundárias, ovoposição de moscas varejeiras e miíase. (ARAÚJO & FERNANDES, 2005). Para dor de cabeça, usavam-se folhas de algodão aquecidas e mascava-se gengibre. Contra faringite, o chá de formiga e o gargarejo com sal era a cura. Para doenças reumáticas, banha de capivara, chá de osso de jumento e carne de cobra cascavel. Para “fraqueza dos pulmões” era o leite de jumenta pela manhã, e para prisão de ventre, o chá da raiz de gitirana, retirada do nascente.
Quando alguém com asma, a banha de ema era ingerida. Para mau hálito, mastigavam-se folhas da goiabeira branca e se alguém atacasse por epilepsia, o chá de perna de garça era a solução. Para lombriga, a erva de cruz, e impotência sexual, quando acusava, chá de velame ou chá de cabeça de negro em jejum.
Segundo o ex-cangaceiro e escritor Joaquim Góis, Lampião e seus “cabras” traziam como parte integrante do seu “ carrego” uma botica improvisada com tintura de iodo, pó de  Joannes, água forte, pomada de São Lázaro, linha e agulha, algodão, um estojo de perfumes com brilhantina, óleo extratos e essências baratas.
O Juá e a arnica eram elementos sem igual para o tratamento de grandes traumatismos decorrentes de quedas, acidentes, esmagamentos, facadas ou tiros. O emprego das cascas de jenipapo nas  luxações, fraturas e contusões, eram de comum prática. Em traumatismo ocasionado por coice de burro usava-se emplasto de mastruço, carvão moído e esterco de animal. O chá de quixabeira também era recomendado para cicatrização (SERAINE, 1983). A raspa do pau  de quixabeira era misturada com álcool ou cachaça e ingerida ou colocada sobre o ferimento; segundo os cangaceiros a ingestão dessa mistura reanimava e dava uma sensação de força... (ARAÚJO & FERNANDES, 2005).
Relatos apontam ainda que, em ferimentos à bala, aguardente, água oxigenada e pimenta malagueta seca, eram introduzidos através do orifício de entrada. Sendo o tratamento doloroso ao extremo, e mais angustiante do que a própria lesão, disseram alguns sobreviventes que se ia ao céu e se voltava de lá.. 
Como em uma aula de fitoterapia ou de botânica, botânica fanerogâmica, e sobre plantas de caatinga sucintamente, citaram-se aqui, extraídas em parte do livro "Lampião, Cangaço e Nordeste" de Aglaê de Oliveira, plantas da região que, conhecidas e empregadas pelos itinerantes valentes das matas brancas e secas, e não muito pela geração contemporânea, eram de uso uniforme. Destaca-se a necessidade que se engendra de divulgar o potencial da flora da caatinga, tão usualmente acometida pelo cangaço, por necessidade, e por vocação instintiva do viver, talvez, e diante disso, expô-la aos seus verdadeiros donos, desconhecedores de uma opulenta herança enjeitada em detrimento da exploração midiática contemporânea...


Ver também em: http://lavrasce.blogspot.com

Referências:
ALMEIDA, Isnaia Firmino Souza. Lampião: A Medicina e o Cangaço. Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n.11, p.112-130, 2006.
ARAÚJO, Antônio Amaury Corrêa; FERNANDES, Leandro Cardoso. “Lampião a medicina e o cangaço”.Editora Traço. 1a edição, 2005

OLIVEIRA, Aglaê Lima. Lampião, Cangaço e Nordeste. Editora O Cruzeiro- 2ª Edição. 

Nenhum comentário:

Como Participar da Rede Blogs do Cariri Para participar da Rede Blogs do Cariri, você precisa inserir 3 códigos html em seu BLOG: Código de Membro da Rede: Basta inserir o código abaixo na aba direita do seu Blog, que o identificará como membro. Todos os sites da rede, inclusive o site central possuem esse código, que faz aparecer um pequeno selo que diz "Este Site faz parte da Rede Blogs do cariri". Esta logomarca é quem identificará as atualizações que seu site teve nas últimas horas e atualizará nosso banco de dados automaticamente, gerando mais publicidade para seu site. Sites atualizados garantem mais visitas e mais publicidade. O código está em linguagem HTML e deve ser inserido na aba direita como novo elemento HTML do seu Blog. O código pode ser baixado do link abaixo: http://www.instrumentalbrasil.com/redeblogs/codigologo.txt O Código de Classificados: O segundo código é o dos classificados da Rede. Um dos grandes objetivos da Rede Blogs do cariri é promover a integração do Cariri e Centro-Sul do estado do Ceará. Criamos um sistema de classificados e Mural, no qual os internautas de várias cidades podem se comunicar entre si, e divulgarem seus produtos, serviços, mesmo de quem nem faz parte da Rede. Isso é muito importante para promover a integração. Adicione o código HTML dos classificados abaixo também na aba lateral do seu Blog. O Cariri, o vale do Salgado e Centro-Sul ficarão integrados. Todos os Blogs da rede devem colocar os classificados, assim, todos saem se beneficiando, pois classificados atraem internautas. O código pode ser baixado aqui: http://www.instrumentalbrasil.com/diversos/muraldeclassificados.txt O MAIS IMPORTANTE: É necessário a colocação do Código da Rádio Chapada do Araripe, que pode ser pego no link abaixo: http://www.instrumentalbrasil.com/redeblogs/codigoplayer1.txt Dihelson Mendonça Contatos: blogdocrato@hotmail.com www.blogdocrato.com